As eleições dos EUA ainda não acabaram!

E se der um branco no meio de uma apresentação?
8 de novembro de 2016
Você tem medo de errar?
29 de novembro de 2016

Sim, eu sei que o Donald Trump já foi eleito! Hahaha. Mas vamos fazer uma análise disso?

Trump é um homem sem história na política, mas, em compensação, um dos maiores e mais bem-sucedidos empresários do mundo. Seu discurso foi repleto de polêmicas, e sua postura divide opiniões.

Prova disso é que, durante a sua campanha, o termo “pós-verdade” veio à tona – e acabou por se tornar a palavra mais procurada do ano, segundo o dicionário Oxford.

A palavra indica “circunstâncias em que os fatos objetivos têm menos influência sobre a opinião pública do que apelos à emoção e a crenças pessoais”. Ou seja, basicamente, quando o boato e a opinião das pessoas superam os fatos. Isso fez com que “pós-verdade” fosse a palavra do ano, após a opinião das pessoas exercer muita força durante a campanha do Trump e o acordo de Brexit, no Reino Unido.

Mas o que podemos aprender com tudo isso?

Você consegue ver o quanto a comunicação é importante? A comunicação entre as pessoas gerou o efeito “pós-verdade” em escala mundial! Imagina só o quanto isso não acontece na nossa vida.

E no nosso ambiente de trabalho, tudo isso se faz muito presente – a comunicação se faz presente. Nos e-mails e nos relatórios a objetividade predomina, enquanto o atendimento ao cliente pode ser “repleto de pós-verdades” e causar problemas. Vou te explicar: ruídos na comunicação podem acontecer. Se os e-mails ou relatórios não forem escritos corretamente, ou se o cliente não for atendido com clareza, ele vai interpretar as informações de maneira errada. E aí isso vira um ciclo: se perde tempo para consertar o erro, se perde credibilidade e pode, inclusive, se perder lucro.

Mas, voltando ao Donald Trump, é importante separarmos a personalidade política da personalidade de empresário. Ele usou e abusou de uma comunicação eficaz e assertiva, e por isso conseguiu convencer os representantes de estado (que acabaram por dar seus votos e elegê-lo, mesmo a votação popular optando por Hilary). Ou seja, seu lado empresário está sempre predominando, pelo menos por enquanto.

Então, questões políticas à parte, quem é o Trump empresário, e o que os grandes líderes acham dele?

Segundo o próprio Obama, Mark Zuckeberg e outros donos de grandes empresas no mundo inteiro, Trump “é o que é e tem o que tem porque é um excelente empresário e tem visão estratégica muito forte” – esse diferencial o trouxe muitos resultados. Mas como levar isso para a empresa que você trabalha? Seguindo essas dicas:

Chefe é diferente de líder

Um chefe apenas distribui, delega e supervisiona as tarefas. Um líder cria estratégias de planejamento para otimizar essas tarefas, além de não apenas delegar as tarefas, mas “cuidar” da equipe para que elas sejam executadas com maestria. Um chefe olha para a equipe e para alguns colaboradores em específico. Um líder olha para o todo que vai além da equipe!

Um olho na sua empresa, e outro no mercado

IMPORTANTÍSSIMO!

O mercado vai alinhar tudo o que você quer daqui pra frente com a sua empresa.

Se a sua empresa tiver problemas de comunicação, a primeira coisa é resolver todos eles (saiba como aqui!). Depois disso, é olha de investigar o mercado.

Trump tinha visão de mercado para todas as suas empresas (e para o seu programa de tv, a versão americana do reality show O Aprendiz), e por isso todo ano quadruplicava sua receita. Por isso, o olho no futuro é tão importante: você sabe o que está acontecendo no mercado? E o que vai acontecer? Sabe sobre as tendências de educação e tecnologia? Se você disse “não” para a maioria das perguntas, alerta vermelho! (mas, quanto à isso, podemos te adiantar algumas coisas aqui!)

Agora quero ver você colocar tudo isso em prática no ambiente de trabalho! Vamos lá?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *