Demita seu cliente!

5 Canais do Youtube que TODO empresário deve seguir!
14 de março de 2017
Perguntar não ofende – nem ao seu chefe!
28 de março de 2017

É…você não leu errado!

Demitir o cliente às vezes é preciso, e essa prática deve ser implantada na empresa (mas não com muita frequência, ok?) sempre que o cliente gerar prejuízos.

Você vai ver como isso pode ser importante para você. Precisamos pensar de maneira desenvolvimentista: na equipe como um todo , e principalmente  na própria empresa!

Alguns problemas podem causar uma demissão por justa causa de um cliente, como por exemplo:

  • Excesso de retrabalho (quando ele consome a sua equipe mais do que devia e pede muitas alterações no que foi acordado)
  • Procurar você ou a sua equipe fora do expediente (mandar mensagens no Whatsapp ou ligar fora do horário comercial)
  • Falta de ética
  • Pedir um serviço maior do que a sua demanda
  • Atraso e/ou falta de pagamento

“Ah, mas ele é o meu maior cliente”. Sim, pode até ser…mas pense comigo:

Se você tiver muito retrabalho com a equipe – aquele clássico “refaça,”mas repetido por múltiplas vezes – talvez seja bom converter isso em horas trabalhadas (e, a partir disso, analisar o quanto perdeu de dinheiro). E se o cliente atrasa muito ou não efetua o pagamento, não há conversa! É demissão na certa. Além disso, nenhum valor em dinheiro compensa o stress gerado em você, na sua equipe, e a carga de trabalho excessiva carregada por todo mundo. Pense bem!

Para evitar esse tipo de problema, só com muita transparência. Tenha várias conversas com o cliente antes de fechar negócio (e, se possível, grave todas elas!), faça reuniões presenciais, e o mais importante: explicite tudo isso em cada linha do contrato. Se o cliente assinou, está assinado, e suas questões estão demonstradas por lá de maneira ética e clara. Por melhor que o cliente seja, temos que nos atentar com cada caso e tratar todos os clientes de uma forma padronizada, adequando-se ao padrão do seu negócio e do que você quer para ele!

Você já passou por isso? Quero saber!

Ah, e me conte o que achou deste artigo também? Sua participação é muito importante, e me ajuda a decidir sobre os próximos temas que falarei por aqui também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *