A Força Leonina das Metáforas

Como Ajudar seu Cliente a Sair do Sofá
27 de junho de 2016
PowerCast #5 – Descubra a Comunicação Investigativa para Liderança!
5 de julho de 2016

Esse artigo é essencial para quem acredita na velha máxima: “uma imagem vale mais que mil palavras”. E é sobre isso que falaremos hoje: imagens.

Você provavelmente já deve ter passado por uma situação em que você tentava explicar algo para o seu cliente, mas ele não entendia… E você tentou usar algo familiar para ele entender? Algo como “você precisa driblar a zaga para marcar o gol”.  Pois bem, você fez uso de uma metáfora.

É um recurso linguístico bem comum e especialmente útil para aumentar a sua conexão com o seu cliente. Mas como ela funciona? E por que funciona tão bem?

Para começarmos a entender melhor as metáforas, vamos visitar um país clássico e cheio de recursos imagéticos: a Inglaterra.

Os famosos leões de Trafalgar

Os famosos leões de Trafalgar

Quem já visitou Londres talvez tenha tido a oportunidade de conhecer a lendária Praça de Trafalgar. A praça, localizada no centro da cidade, é uma homenagem à vitória dos britânicos sobre os franceses nas batalhas napoleônicas. Rodeada de vários leões esculpidos em bronze, é um dos principais pontos turísticos da Inglaterra.

Para quem não sabe, o leão também é o símbolo da Inglaterra, assim como a águia é o símbolo dos Estados Unidos. Claro que ao usar a imagem do gigantesco felino, o império britânico quis transmitir ao mundo a ideia de que o povo inglês possui atributos “leoninos”, como coragem, liderança e determinação.

Agora, vamos pegar a mesma figura, o leão, e transportá-lo para um contexto brasileiro.

Qual é a primeira coisa que vem à sua mente? Isso mesmo, o “leão” da Receita Federal. A figura do felino nos avisa que precisamos ficar alertas e andar na linha ou o “bicho vai pegar”.

Se você pensa que isso é exclusividade de países, pense novamente! Com certeza você já deve ter visto muitas empresas do ramo da segurança que também utilizam animais em suas logomarcas, como falcões, pumas, tigres e até cachorros, que pintam uma imagem dos valores que são atrelados aos seus serviços, tais como força, agilidade e firmeza.

Pensemos agora nas diferenças entre os leões britânicos e o leão da receita federal. Ambos são figuras metafóricas que têm um poder de comunicação próprio por estabelecer comparações implícitas. Apesar de terem significados diferentes, ambos os “leões” compartilham características do animal: são fortes e implacáveis. O que muda é o sentido que as comparações fazem para o leitor, pois cada leitor cria diferentes sentidos para uma mesma imagem.

 

Com uma imagem assim, o que você acha que o leão representa?

Com uma imagem assim, o que você acha que o leão representa?

Por meio das metáforas, a mensagem é enviada de maneira direta e emotiva, facilitando muito mais a compreensão de um conceito que precisaria de dezenas de páginas para ser explicado.

Vamos para um exemplo bem banal:

Dizemos que Ana é uma “flor de garota” ou um “doce de menina” porque transferimos a delicadeza das flores e a doçura para tal pessoa. Mas “um doce” pode ser usado também em um contexto negativo, como alguém falso ou exageradamente emotivo. Podemos também afirmar que meu chefe tem um “coração duro como uma rocha” (insensível) ou que “tem o rei na barriga” (orgulhoso).

Os recursos metafóricos podem ser mais divertidos e podem ser assimilados com mais clareza que as explicações literais, pois eles nos transportam para situações análogas às que estamos vivendo em determinado momento. Mas para isso funcionar, para você conseguir usar a metáfora certa, ou seja, você tem que falar a mesma língua do seu cliente, metaforicamente falando!

Você já deve ter falado para o seu cliente que ele “marcou um gol”, “pisou na bola”, mas as metáforas fazem mais sentido quando fazem parte do repertório diário do seu cliente. Se ele trabalha com culinária, por que não buscar algumas metáforas como “faltou sal”? Se ele trabalha com marketing, porque não falar “você não vendeu bem essa ideia”?

No bom combate, a comunicação generosa é essencial. Não basta falar, você tem que ser entendido, gerar conexão. Isso ajuda a compreensão do cliente sobre o assunto e também o faz perceber que você tenta falar a mesma língua que ele, o que só aumenta a conexão que ele sente com você.

Na comunicação com o cliente, devemos ser atentos como a água e prudentes como a serpente, pequeno gafanhoto. Busque sempre criar uma conexão com o seu cliente!

1 Comentário

  1. Maravilhoso texto. Parabéns !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *