Liderança na Geração Y – O Que Mudou?

Pokémon Go – Temos que Pegar Todas as Oportunidades!
8 de agosto de 2016
Dica de neurocientistas: Como você deve motivar os seus colaboradores?
23 de agosto de 2016

As pessoas da Geração Y, hoje, são um dos maiores mercados consumidores do mundo. Composta de adultos que nasceram entre a década de 80 e 90, ela domina o mercado do entretenimento e boa parte da programação de marketing hoje é feita com eles em mente.

Por outro lado, há um dado curioso, muito diferente de seus antecessores da Geração X. Enquanto um profissional da Geração X costumava ficar a vida toda em apenas um emprego, os profissionais da Geração Y apresentam outro quadro.

Mais especificamente, 71% dos profissionais da Geração Y ficam entre 3 a 6 meses em uma mesma companhia.

Multiethnic Group of People Social Networking at Cafe
Eles não querem trabalhar com você no momento.

Estudos constatam que a Geração Y é a que mais muda de emprego. Uma pesquisa recente realizada pela Talenses, consultoria em recrutamento executivo, revelou que esses talentos ficam menos de dois anos na mesma companhia, o que, segundo especialistas em Recursos Humanos, exige um esforço maior para entender como esses profissionais trabalham e para pensar em um programa de retenção.

A relação da maioria dos líderes com a Geração Y é tensa. Afinal, a Geração Y é uma geração “livre”, precisam de algo mais para ficar onde estão. Eles são a geração empreendedora por excelência e por vezes podem ser difíceis de serem liderados, por serem voluntariosos demais.

Mas a culpa não é da geração Y. Uma nova geração eventualmente chegaria. O mundo muda e precisamos nos adaptar.

Acho que é bom apresentar outro lado da história. A Geração Y tem ocasionado uma grande revolução no modelo de gestão e liderança das empresas. E isso, naturalmente, tem incomodado gestores mais conservadores e, por que não dizer, antiquados.

Um Geração Y incomoda muita gente…

Deixe-me contar de uma conversa que eu tive com um líder de uma empresa recentemente. Ele reclamava da nova geração, enquanto alimentava as suas planilhas financeiras e analisava os seus relatórios, tão importantes em sua rotina. Após alguns minutos de lamentação, perguntei a ele: “Quantas horas por dia você dedica para conversar com as pessoas?”. Ele respondeu: “Conversar? Como assim? Eu converso o tempo todo, delego atividades, faço solicitações, cobro resultados…”.

Então continuei: “Deixe-me ser mais clara: você estava dizendo que o ‘fulano’ não é comprometido com a empresa e que isso lhe preocupa. Pois bem, quantas vezes você já conversou com ele sobre o seu futuro na empresa? Quantas vezes você o chamou para conversar sobre os projetos e lhe pediu alguma opinião? Quantas vezes você demonstrou gratidão e reconheceu o seu esforço? Quantas vezes você se interessou pelo desenvolvimento de sua carreira?”.

Isso é conversar com outro profissional. Isso é exercer um papel de liderança ativa.

Como líder, você deve se perguntar: você fez tudo o que foi possível para fazer aquele profissional se comprometer com a sua visão? Com o seu trabalho?

Liderar é mais que delegar tarefas, que atribuir funções, que cobrar resultados. Liderar é abrir diálogo, se preocupar, conseguir conversar com os seus liderados.

Preocupe-se em ensinar, não em cobrar.

 

E esse mindset é essencial quando se trata da Geração Y. A nova geração é diferente, pensa diferente, age diferente e quer coisas diferentes. Ela busca recompensas que vão além do financeiro. Eles buscam uma liderança verdadeira. Um motivo para seguir você.

Portanto, chega de lamentação! Antes de terceirizar a responsabilidade e julgar o seu time, tenha a certeza de estar fazendo a coisa certa:

  1. Evolua rápido e sempre, pense diferente, aja diferente, seja diferente, não fique isolado no seu mundo. Abra a sua cabeça para as novidades. Você não precisa gostar de tudo, mas tem que estar atento ao que existe.
  2. Fale a mesma língua para estabelecer sintonia com as pessoas. Entenda como pensam, agem, comunicam-se e utilize isso a seu favor.
  3. Importe-se com as pessoas. Seja um impulsionador de carreiras, desenvolva o seu time, ajude-o a evoluir e amadurecer. Você somente conseguirá isso se, de fato, estiver disposto a conversar muito e na hora certa.
  4. Participe o seu time das decisões. Jamais confunda falta de experiência com falta de inteligência. Muitas vezes uma cabeça mais “fresca” pode produzir ideias sensacionais.
  5. Desafie as pessoas continuamente. O dinamismo é a palavra-chave dessa nova geração, portanto, jamais deixe as pessoas se acomodarem, desafie-as sempre. Mas, lembre-se: um desafio só vale a pena se trouxer alguma recompensa.
  6. Por fim, aceite que o mundo mudou, as empresas mudaram e as pessoas também, logo, a nostalgia dos velhos tempos não o ajudará em nada. Viva o presente!

 

Por fim, depois de conversarmos abertamente, eu deixo uma pergunta que todo líder deve se perguntar na frente do espelho: “O que você pode fazer hoje para engajar verdadeiramente as pessoas?”.
A resposta é somente sua, e a decisão de entrar em ação e transformar o seu time, também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *